menu Menu
44 artigos na categoria
Portugal
Página anterior Página anterior Próxima página

Dois poemas inéditos 

a estante é, em si, umahistória: as tuas escolhas,os teus dedos sobre o brancoagora que é tudo acabado:levo os meus livros, despimosessa estante: uma nudezque não consigo encarar: fui eu, texto, que meservi de ti: da tuasubjetividade, dessa loucavontade de transformar imagens,emoções, em palavras:amaldiçoo-te por isto, porme quereres matar: na perspetivado texto, isto é: na […]

Continuar leitura


Dois poemas inéditos 

COCAÍNA  eu podia ter arrancado aos jardins a falsa verdade. abrir a grade imersa  num saco de plástico pequenino onde guardavas três ou quatro filas de  coca. ajudar-te a penetrar as pregas de um escuro cristalino onde  marchava o argumento mais astuto.   viajante atrás de um mal de seda. memória doce de um traficante a […]

Continuar leitura


Recensão de um livro de Hugo Milhanas Machado

Hugo Milhanas Machado: a meticulosa insurreição do verbo O mais recente livro de Hugo Milhanas Machado (Estrela Tambor, Editora Labirinto, 2020) acentua e homogeneíza alguns dos temas e dos procedimentos estilísticos suscetíveis já de ser encontrados em livros seus anteriores. Esta obra está dividida em duas secções: um, Estrela, que integra um grupo de quarenta […]

Continuar leitura


Um ensaio (Filosofia Social e Política)

A Barreira Invisível Contágio, confinamento, covid, Sars-CoV2, RT, cerca sanitária, PCR, antigénio, et coetera. Ainda no primeiro trimestre de 2020 começamos a ser inundados por uma bateria de acrónimos e lexemas que, na sequência do surgimento do coronavírus, se foram multiplicando, insinuando e tomando conta do quotidiano à medida que os meses passavam. Digo surgimento […]

Continuar leitura


Um poema inédito

//Posso parecer modesto no quererMas cuidaiÉ bem provável que seja apenasfingimentoQuero ser de estimação um osso— assim mesmoinvertido no sentidoQuero ver-me entre caninos alojadoe em saliva alheia redimido            Eu seiperdoai-me a insolência            Vós             a quem a minha insignificância             não é digna de qualquer metáforaperdoai-me também a existência— este delírio em forma de afrontamento Pesa sobre o que resta […]

Continuar leitura


Dois poemas inéditos

dá-me de volta o amor, mesmo riscado e contaminado, dá-me o que importa, e o que não importa, o silêncio penhorado, e o musgo da sombra, que levaste no presépio da alegria, oh, dá-me o tempo das searas, e o pão que devíamos ter amassado, na poesia da nossa cama, dá-me a destreza de ter […]

Continuar leitura


Dois poemas inéditos

o cansaço alonga-senas ruas da cidadeexilada sem rios para desaguara dorroça as paredes das casase espraia-se nos bancosdos jardins não há notícia das chuvasnem dos bandos de corposque mastigavam a sede sobrevivem meia dúzia de janelasindefesase os acenos da memória o último habitante feriu-sequando tentou escalaros dias a Ricardo Reis Mestre quando a guerra terminarfarei […]

Continuar leitura


Recensão de um livro de Samuel Pimenta

As constelações existem para extinguir a solidão das estrelas. Samuel F. Pimenta  Samuel Pimenta regressa à poesia com Ascensão da Água, obra que recebeu o Prémio Literário Cidade de Almada em 2019 e que foi publicada pela editora Labirinto em 2020. Antes deste livro, havia publicado uma obra de ficção intitulada Iluminações de uma Mulher […]

Continuar leitura


Recensão de um romance de Henrique Levy

Henrique Levy é licenciado em Língua e Cultura Portuguesa pela Faculdade de Letras de Lisboa, tem uma pós-graduação em Linguística Portuguesa e um Mestrado em Estudos Portugueses com uma tese sobre Florbela Espanca (1999). É poeta e romancista, cidadão português com nacionalidade cabo-verdiana e tem vivido em diversos países da Europa, Ásia, África e América. […]

Continuar leitura


Dois poemas inéditos

Amadeu Baptista NÃO CAIAS Aguenta mal o mal que te fizeremE não dês parte de fraco se morderemA mão com que deste de comer e a ternuraQue de boa-fé foste entregando. Molha a sopa em tudo o que reveleA malsã condição de te destrataremSe deste a carne e os ossos te roeramE no fim nem […]

Continuar leitura



Página anterior Próxima página

keyboard_arrow_up