menu Menu
25 artigos na categoria
Literatura
Página anterior Próxima página Próxima página

Um ensaio sobre a poesia de Inês Lourenço

                              SEM MUSA E SEM REDENÇÃO:                              A POESIA DE INÊS LOURENÇO                                                                                «Emudecer o afe[c]to português?                                                                               Amputar a consoante que anima                                                                                                        a vibração exa[cta]                                                                                                    do abraço, a urgência                                                                                      tá[c]til do beijo? Eu não nasci                                                                           nos Trópicos; preciso desta interna                                                                              consoante para iluminar a névoa                                                                                               do meu dile[c]to norte.»                            Inês Lourenço, in Coisas que nunca, & etc., Lisboa, 2010, p.43.                                                                           «I have let things slip, […]

Continuar leitura


Um poema (versão bilingue)

Has podido vivir ocultoy no lo has hecho, sea por vanidado por soberbia. En vez del buen sentirte enfangaste en los varios devaneos.Ya no podrás volver, ahora,a lo mundano, sin espanto, ni a ningunapureza que no sea altiva.No sembrará el que mira al vientoy el que mira a las nubes no segará.Con un minuto de […]

Continuar leitura


Dois poemas (versão bilingue)

PERTURBAZIONE e quei fiotti inarginabili           il sanguinamento improvviso                     nel tunnel della metroquasi una fiorituradal rigoglio degli autunni:                        oppure il fondo al campo                                                  nell’erba alta                        la tagliola annidata                                                   invisibile                        nella trasparenza del gelo:  osì la luce sulle facciate                                                   dura                       per falde d’acqualo strappo trasversalele case nella morsa                      del vento perforante:                       come ad ogni perturbazi                                              un lento affioramento della luce                                                                  nel cerchio del cielo                      le nostre gole prese […]

Continuar leitura


Um conto inédito

              Uma certa tensão sexual ou o parlapié do porco Há mais de quatro anos que não lanço um piropo. Desde que saiu aquela lei que proíbe um gajo de se meter com as miúdas. Nunca percebi qual é o problema, posso assegurar que a minha fraca criatividade nunca ofendeu ninguém. Sempre me limitei […]

Continuar leitura


Dois poemas inéditos

AVISO 1. Alcancem o incenso branco [do nevoeiro do mar] que chega ao fim.Desnudem-se para que ao cair do dia, entrem, não desdenhem.(Aviso: Segurem as garrafas mesmo depois de beberem.Neste areal há sempre franjas arroxeadas, emaranhados, e mais parafernália. E a incerteza à sombra disso.)Triste? (Ouço a lamentação.Um outro amigo ri com um pé na […]

Continuar leitura


Recensão de um livro de José Iniesta

QUÉ LIBERTAD CALLAR POR LOS CAMINOS.  UNA LECTURA DE LLEGAR A CASA, DE JOSÉ INIESTA La poesía de José Iniesta (Valencia, 1962) es un ejercicio de celebración sobre aquello destinado a perecer, esa belleza de lo efímero. Como si aquella sentencia machadiana (Se canta lo que se pierde) adquiriese un carácter hímnico. Su último libro, […]

Continuar leitura


Dois poemas inéditos 

a estante é, em si, umahistória: as tuas escolhas,os teus dedos sobre o brancoagora que é tudo acabado:levo os meus livros, despimosessa estante: uma nudezque não consigo encarar: fui eu, texto, que meservi de ti: da tuasubjetividade, dessa loucavontade de transformar imagens,emoções, em palavras:amaldiçoo-te por isto, porme quereres matar: na perspetivado texto, isto é: na […]

Continuar leitura


Um conto inédito

                                                            o vestido                                                                                                                       para a R. D. A encomenda chegou a meio da manhã. Foi por acaso que a recebeu, já que a essa hora costumava estar a despachar relatórios, a analisar projetos, afundada num sem número de burocracias em forma de papel. Mas nessa noite dormira mal, sonhos agitados e decidira ir mais tarde para […]

Continuar leitura


Dois poemas inéditos 

COCAÍNA  eu podia ter arrancado aos jardins a falsa verdade. abrir a grade imersa  num saco de plástico pequenino onde guardavas três ou quatro filas de  coca. ajudar-te a penetrar as pregas de um escuro cristalino onde  marchava o argumento mais astuto.   viajante atrás de um mal de seda. memória doce de um traficante a […]

Continuar leitura


Dois poemas inéditos (versão bilingue)

Non è tardi per sognare volare in mezzo all’oceano, galleggiare come gabbiani tra camelie bianche. Non è tardi per dire amore, anche se la risposta è il silenzio nelle ore che seguono il vespro. Non è tardi per essere circondata dall’essenza della vita, nonostante il vecchio passo, i sorrisi perduti, le parole non dette. No, […]

Continuar leitura


Recensão de um livro de Hugo Milhanas Machado

Hugo Milhanas Machado: a meticulosa insurreição do verbo O mais recente livro de Hugo Milhanas Machado (Estrela Tambor, Editora Labirinto, 2020) acentua e homogeneíza alguns dos temas e dos procedimentos estilísticos suscetíveis já de ser encontrados em livros seus anteriores. Esta obra está dividida em duas secções: um, Estrela, que integra um grupo de quarenta […]

Continuar leitura


Um ensaio (Literatura)

O silêncio de uma ferida se abrindo O texto que em seguida compartilho com vocês foi lido na última edição do Raias Poéticas, cujo tema da mesa, sugerido pelo Luís Serguilha, era: A literatura acontece em começos ininterruptos. Confesso que depois de mais de 20 anos de escolarização desenvolvi uma desobediência estratégica contra os problemas […]

Continuar leitura


Um poema inédito

//Posso parecer modesto no quererMas cuidaiÉ bem provável que seja apenasfingimentoQuero ser de estimação um osso— assim mesmoinvertido no sentidoQuero ver-me entre caninos alojadoe em saliva alheia redimido            Eu seiperdoai-me a insolência            Vós             a quem a minha insignificância             não é digna de qualquer metáforaperdoai-me também a existência— este delírio em forma de afrontamento Pesa sobre o que resta […]

Continuar leitura


Dois poemas (versão bilingue)

ACLARACIÓN Como Pacheco, escribo un día y otropero no todas las cosas que escribosignifican lo mismo,hoy tocan el olvido o la muertemañana serán las olasy sus instrumentos;no amo nada que no vengaen un libronada que no se pueda resumiren una página,será por eso que los poetasno duramoscomo perdura el polvosobre nuestra ofrenda.Escribo sobre el miedopero, […]

Continuar leitura


Dois poemas inéditos

dá-me de volta o amor, mesmo riscado e contaminado, dá-me o que importa, e o que não importa, o silêncio penhorado, e o musgo da sombra, que levaste no presépio da alegria, oh, dá-me o tempo das searas, e o pão que devíamos ter amassado, na poesia da nossa cama, dá-me a destreza de ter […]

Continuar leitura


"FUELLE"  um conto de

FUELLE Cada vez que lo cuento es como si acabara de ocurrir, tan viva regresa a mi memoria aquella noche. Y los gestos y las voces de los hombres que la compartíamos. La crudeza del aire era tanta que la oscuridad parecía sólida, un hielo remansado contra el que hubiera que remar para moverse. Hasta […]

Continuar leitura


Poesia Italiana Contemporânea

IL CUORE PESATO come la favola del provinciale / perso nella grande città:sul piazzale dove le vie convergono / si orienta guardando i tiglilo stradario ramato delle macchie / che qui tempestano le foglie.tutto è foresta, le torri d’acciaio / le pareti specchianti, i vetrisono stagni fatati, rami e tronchi / percorsi da corvi parlanti;sarà […]

Continuar leitura



Página anterior Próxima página

keyboard_arrow_up