menu Menu
24 artigos na categoria
Poesia
Página anterior Página anterior Próxima página

Dois poemas inéditos

dá-me de volta o amor, mesmo riscado e contaminado, dá-me o que importa, e o que não importa, o silêncio penhorado, e o musgo da sombra, que levaste no presépio da alegria, oh, dá-me o tempo das searas, e o pão que devíamos ter amassado, na poesia da nossa cama, dá-me a destreza de ter […]

Continuar leitura


Poesia Italiana Contemporânea (versão bilingue)

IL CUORE PESATO come la favola del provinciale / perso nella grande città:sul piazzale dove le vie convergono / si orienta guardando i tiglilo stradario ramato delle macchie / che qui tempestano le foglie.tutto è foresta, le torri d’acciaio / le pareti specchianti, i vetrisono stagni fatati, rami e tronchi / percorsi da corvi parlanti;sarà […]

Continuar leitura


Dois poemas inéditos

o cansaço alonga-senas ruas da cidadeexilada sem rios para desaguara dorroça as paredes das casase espraia-se nos bancosdos jardins não há notícia das chuvasnem dos bandos de corposque mastigavam a sede sobrevivem meia dúzia de janelasindefesase os acenos da memória o último habitante feriu-sequando tentou escalaros dias a Ricardo Reis Mestre quando a guerra terminarfarei […]

Continuar leitura


Poema (bilingue): Trad. Victor Oliveira Mateus

“La palabra” Amo la palabraSu cabello rizado, la nariz un poco afiladaLa barbilla perfecta, y la mandíbula firmeLa palabra tiene mucho atractivo sexual. PareceMás linda cuando se estiraSu espalda oscila rítmicamente, si la estiroYace toda la noche hundida en mi pechoSi estoy triste, la cojo en mis brazosTengo miopía, también hipermetropíaNo puedo leer su cara […]

Continuar leitura


Dois poemas inéditos

Amadeu Baptista NÃO CAIAS Aguenta mal o mal que te fizeremE não dês parte de fraco se morderemA mão com que deste de comer e a ternuraQue de boa-fé foste entregando. Molha a sopa em tudo o que reveleA malsã condição de te destrataremSe deste a carne e os ossos te roeramE no fim nem […]

Continuar leitura


Sonetos (bilingue): Trad. João Albuquerque

João Albuquerque AMA TEU RITMO… Ama teu ritmo e ritma tuas acçõessob sua lei, assim como teus versos;és um universo de universose tua alma uma fonte de canções. A celeste unidade que pressupõesfará brotar em ti mundos diversos,e ao ressoarem teus números dispersospitagoriza em tuas constelações. Escuta a retórica divinado pássaro no ar e a […]

Continuar leitura


Solveit

Solveit,poseída por un ensueño,convive con la ilusión en los adentros del bosque,le acompaña el viento que de tanto en tanto se posa en las rocas,el susurro de las hojas que se esconde en las sombras, adormecido por el mutismo,            que al cubrir la añoranza,invade la casa de piedra,eternizándose en la quietud de las flamas,en la indiferencia […]

Continuar leitura



Página anterior Próxima página

keyboard_arrow_up