menu Menu
24 artigos na categoria
Poesia
Página anterior Próxima página Próxima página

Dois poemas inéditos (versão bilingue)

DEVOLUCIONES                         Ciertas formas de bar caliente diorama                        Eduardo Haro Ibars Que tu semen no sea escarcha ahoraque el mundo te repudia y vas a los lavabosa devolver el tiempo que nos venden,ínfulas de un mar que se bebieron.Yo te he visto enfundar con tu piel todo el misterio,andar desde tu alcoba, sumergirte en el viaje de […]

Continuar leitura


Poesia italiana contemporânea (versão bilingue)

Il male come un caneche nel mordere diventa lupo,diventa sé, il male come dolore,cane e lupo i nomi le cose,poi la gioia del tuo corpo da sola, l’assenza pensata nella forma della gioia, e i nomi – nominon quantità,contro un cielo rossodel rosso della preistoria, di primache tu entrassi in una stanza,o in quest’aperto – […]

Continuar leitura


Dois poemas inéditos

EM ESFORÇO DE INVESTIGAÇÃO Sentes o mais longo tempo da tua vida numa só palavra.Eis o mundo nocturno em esforço de investigaçãoque em plano mais fechado somente expressa a vidaem profundidades graves e insondáveis. Escrita que é para ti um peso que se tenta reformular –e validar, em densidade, o sentido suspenso. Descobres então que […]

Continuar leitura


Dois poemas inéditos

1 Parto em quatro o círculo da pizzaum para mim, outro para tie mais dois que dou às aves de partida um copo de vinho tintoreserva ainda deste sabor por tina imobilidade que nos comeas palavras excessivas de queijo de ervas daninhasa crescerem-me no corposolto inúteis impropérios parto ainda as fatias que me cabeme mastigo […]

Continuar leitura


Três poemas (versão bilingue)

LOS PIES DE ULISES Fui devorado por el mar,pero mis pies memorizaron Ítaca, su hierba y el misterio condenado a mí.Por ellos regresé multiforme y primitivo de sandalias.Allí, velaron mi nombre una y mil noches, bajo las estrellas y cerca del Egeo.Alguien rozó la sagrada marca en mi piel y preguntó:¿Quién eres?Sólo mis huellas, arquitectas […]

Continuar leitura


Poesia italiana contemporânea (versão bilingue)

Alla fine del semestre Saltare sulla bicicletta di unoche dà brividi alla pelle di nuovo viva,essere riportato nella nuova casaormai vecchia di qualche stagione,dimenticare il cellulare nel parcola settimana prima di partire perdere tutto–senza numeri senza foto né ricordiaspettare che vengano a prendertie di nuovo essereriportati nella vecchia casa,sapere che è breve il tempo della […]

Continuar leitura


Um poema inédito (versão bilingue)

LA PREGUNTA                                           Para Carlos Medrano No sabe si lo que el viento le robófue su inocencia o la cometa.Atrapada en el árbolel muchacho tiraba de la cuerda desesperadamente,levantaba los brazos, se encorvaba,quebraba alguna rama que caíacomo un pájaro herido.Casi desnudo, la mirada plomiza,se alejaba girando la cabezapor si un golpe de viento se la diera.Mañana […]

Continuar leitura


Um poema inédito (versão bilingue)

LA CHICA DEL TAMBOR En el sueño no nos compromete esta escena.Quién puede pedirme cuentaspor recibirte en mi camasi llegas huyendo de una persecución,o a ti por ser un bebedor matutino.Después de todo, eso lo vien una película al acostarme.Nadie puede achacarnosque utilice tu cara para representarel papel de ese espía tan perturbador.Las palabras no […]

Continuar leitura


Três poemas do livro "Altos Cumes"

Alvão Começava com a pulsação de um poemaa bater no peito dilatadoe com a mão inábil tentava afinaro assobio dos seus lábios ardentes Sentia o apelo dos lugares elevadosnas suas pernas e nos seus ombrosque o erguiam numa imprudênciade sangue quente pelos caminhos E lá do alto o vale deslizavasobre um glaciar por entre as […]

Continuar leitura


Um poema (versão bilingue)

Has podido vivir ocultoy no lo has hecho, sea por vanidado por soberbia. En vez del buen sentirte enfangaste en los varios devaneos.Ya no podrás volver, ahora,a lo mundano, sin espanto, ni a ningunapureza que no sea altiva.No sembrará el que mira al vientoy el que mira a las nubes no segará.Con un minuto de […]

Continuar leitura


Dois poemas (versão bilingue)

PERTURBAZIONE e quei fiotti inarginabili           il sanguinamento improvviso                     nel tunnel della metroquasi una fiorituradal rigoglio degli autunni:                        oppure il fondo al campo                                                  nell’erba alta                        la tagliola annidata                                                   invisibile                        nella trasparenza del gelo:  osì la luce sulle facciate                                                   dura                       per falde d’acqualo strappo trasversalele case nella morsa                      del vento perforante:                       come ad ogni perturbazi                                              un lento affioramento della luce                                                                  nel cerchio del cielo                      le nostre gole prese […]

Continuar leitura


Dois poemas inéditos

AVISO 1. Alcancem o incenso branco [do nevoeiro do mar] que chega ao fim.Desnudem-se para que ao cair do dia, entrem, não desdenhem.(Aviso: Segurem as garrafas mesmo depois de beberem.Neste areal há sempre franjas arroxeadas, emaranhados, e mais parafernália. E a incerteza à sombra disso.)Triste? (Ouço a lamentação.Um outro amigo ri com um pé na […]

Continuar leitura


Dois poemas inéditos 

a estante é, em si, umahistória: as tuas escolhas,os teus dedos sobre o brancoagora que é tudo acabado:levo os meus livros, despimosessa estante: uma nudezque não consigo encarar: fui eu, texto, que meservi de ti: da tuasubjetividade, dessa loucavontade de transformar imagens,emoções, em palavras:amaldiçoo-te por isto, porme quereres matar: na perspetivado texto, isto é: na […]

Continuar leitura


Dois poemas inéditos 

COCAÍNA  eu podia ter arrancado aos jardins a falsa verdade. abrir a grade imersa  num saco de plástico pequenino onde guardavas três ou quatro filas de  coca. ajudar-te a penetrar as pregas de um escuro cristalino onde  marchava o argumento mais astuto.   viajante atrás de um mal de seda. memória doce de um traficante a […]

Continuar leitura


Dois poemas inéditos (versão bilingue)

Non è tardi per sognare volare in mezzo all’oceano, galleggiare come gabbiani tra camelie bianche. Non è tardi per dire amore, anche se la risposta è il silenzio nelle ore che seguono il vespro. Non è tardi per essere circondata dall’essenza della vita, nonostante il vecchio passo, i sorrisi perduti, le parole non dette. No, […]

Continuar leitura


Um poema inédito

//Posso parecer modesto no quererMas cuidaiÉ bem provável que seja apenasfingimentoQuero ser de estimação um osso— assim mesmoinvertido no sentidoQuero ver-me entre caninos alojadoe em saliva alheia redimido            Eu seiperdoai-me a insolência            Vós             a quem a minha insignificância             não é digna de qualquer metáforaperdoai-me também a existência— este delírio em forma de afrontamento Pesa sobre o que resta […]

Continuar leitura


Dois poemas (versão bilingue)

ACLARACIÓN Como Pacheco, escribo un día y otropero no todas las cosas que escribosignifican lo mismo,hoy tocan el olvido o la muertemañana serán las olasy sus instrumentos;no amo nada que no vengaen un libronada que no se pueda resumiren una página,será por eso que los poetasno duramoscomo perdura el polvosobre nuestra ofrenda.Escribo sobre el miedopero, […]

Continuar leitura



Página anterior Próxima página

keyboard_arrow_up