menu Menu
85 artigos na categoria
Literatura
Página anterior Página anterior Próxima página Próxima página

Dizer outra coisa: ensaio sobre a obra de José Wong

A coletânea de poesia intitulada em português pedaços a preto e branco (ch. 黑白的拼圖, ing. bits of black and white), uma edição trilingue da Associação de Estórias de Macau, editada em março de 2021, da autoria de 夏簷 (pseudónimo), consiste numa compilação de trinta e quatro poemas originalmente escritos em chinês, vertidos para português pelo […]

Continuar leitura


O além é aqui ao lado (Conto)

As cinco horas da manhã não são propriamente o momento ideal para recebermos visitas ou, ainda mais estranho, para que se nos depare um forasteiro cirandando ao longo do corredor, contudo, depois de ter espreitado pela porta do meu quarto, foi com esta última alternativa que me deparei. Um homem, com mais de sessenta anos, […]

Continuar leitura


Antonio Salvado del Intimismo al Universalismo (Ensaio)

Cuando hablamos de poesía de lo irracional nos referimos no solo al misterio de la realidad que nos rodea, sino también a unas formas de la lírica tradicional, a la claridad de pensamiento y a una modalidade diferente, y casi opuesta de comunicación entre lector y artista. En el arte contemporáneo, al menos en algunos […]

Continuar leitura


Acerca dos Haikus de Allan Ginsberg (Ensaio)

American Sentences: los haikus de Allen Ginsberg Allen Ginsberg (1926-1997) fue a la Universidad de Columbia, en Nueva York, en la década de 1940. Allí conoció e hizo amistad con Jack Kerouac, Neal Cassady y William S. Burroughs, los cuatro compartían ideas y razón estética y acabarían convirtiéndose en verdaderos iconos de la Beat Generation. […]

Continuar leitura


Poemas Inéditos

sim, a noite a magnífica noite dar-me-á o silêncio e a ternura da magnólia abrindo-se para nós. E os nossos passos atravessarão a escuridão, onde crescem as ervas daninhas, levando-nos até ao mar até ao canto que resplandece no ar.     Fazer do poema um lugar que compomos a partir de um intervalo entre […]

Continuar leitura


Homenagem a Astrid Cabral

ASTRID CABRAL: UMA AURA DE POESIA   O ano de 1963 foi marcado pela estreia em livro de uma das melhores e mais completas escritoras brasileiras da geração de trinta: Astrid Cabral publicava, pela GRD, do Rio de Janeiro, os contos de Alameda. Ao longo de seu trajeto, Astrid acumularia êxitos notáveis em quase todos […]

Continuar leitura


Inéditos de Teresa Rita Lopes

AUTOBIOGRAFIA BREVE Nasci em casa como dantes se nascia três meses depois do meu Pai morrer na mesma cama em casa como também dantes se morria. Nunca se soube do que o meu Pai morreu como dantes acontecia. Nasci com a mesma sem razão e cresci como então se crescia com mais vagar. Hoje é […]

Continuar leitura


12 Divinanzas (versão bilingue)

12 DIVINANZAS Solo cuando cantan, las palabras dejan de traicionar lo que nombran. *** Toda música nos seduce para que la sigamos a la Gran Oscuridad. La música no quiere ser escuchada. Quiere ser obedecida. *** Para volver a ser el que sólo una vez fuimos, qué lejos nos hemos ido. *** Hemos aprendido a […]

Continuar leitura


A agonia da rainha Ginga (Conto)

No fim de tudo procura-se a voz do início. A Agonia da Rainha Ginga   Daqui a umas horas amanhece. Há muitas noites que sinto a morte a roçar-me as costas. Os feiticeiros já só discutem o tempo que me resta viver. As horas que existem são uma constante espera pelo próximo surto de dores. […]

Continuar leitura


Para arder até ao fim (Conto)

Para arder até ao fim   De dia, pernoitávamos em pequenos motéis, esquecidos entre as montanhas, longe de tudo. Só viajámos de noite, quando soprava a frescura. Apenas o vento e a escuridão da estrada, serpenteando entre as montanhas, nos faziam companhia, à medida que o automóvel engolia sofregamente os traços brancos do asfalto. Para […]

Continuar leitura


Poesia Catalã traduzida por Corina Oproae

CUATRO POEMAS DE ANTONI CLAPÉS, DEL LIBRO L’ARQUITECTURA DE LA LLUM / LA ARQUITECTURA DE LA LUZ (2012) Traducción del catalán al español por Corina Oproae Les ulleres de Parmènides (per a Ramón Andrés) El paisatge es difumina en una llunyania clarosa, rere les muntanyes blaves del fons. Per arribar-hi –diuen– cal ascendir quatre-cents noranta […]

Continuar leitura


Poesia italiana (versão trilingue)

Gelsi Hai fatto questo semplice gesto con la mano: l’hai sollevata fino al volto, l’hai tesa verso il mio finestrino, mentre guidavo: ho guardato, e contro la luce caliginosa della mattina li ho contati, otto, otto gelsi a chioma aperta come la coda di un pavone imbalsamato, in processione lungo la linea del nostro sguardo, […]

Continuar leitura


Post-Scriptum Para Uma Memória Futura

Post-Scriptum Para Uma Memória Futura I Renasceste d’aonde, solidão? Que via de sombra atravessaste, que neblina conseguiste vencer, que precipícios venceste mais além ou que ravinas trepaste incólume até mim chegares? Há quanto não sentia os teus confins, do teu poço a secura, o extinto mar, e súbito m’envolves oprimindo. A tua lassidez varreu meus […]

Continuar leitura


Hannah Arendt: Humanidade (Ensaio)

HANNAH ARENDT: HUMANIDADE   No discurso pronunciado por Hannah Arendt na entrega do Prémio da Paz da Associação Alemã de Livreiros ao filósofo Karl Jaspers (1958), a teórica política referiu-se ao modo como o seu mestre – educador – e amigo, na esteira de Imannuel Kant, compreendera a “humanidade”: “a personalidade válida que, uma vez […]

Continuar leitura


Poesia Hispânica traduzida por Nuno Júdice

ARS POÉTICA O LA CAZA DE LOS COCUYOS Queda una hoja de papel no en blanco donde está anocheciendo donde goteaba luceros una noche José Carlos Becerra Estábamos mi padre, mi madre y yo -auscultando-el sortilegio negro de los árboles Intercambiando las siluetas De una luna que no aparece Y que no duerme Con el […]

Continuar leitura


Inéditos de Tomás Sottomayor

Espírito-nidificante Desejo-solar de mamar Desejo-lunar de amamentar Dócil – maternal – dádiva Do grande verbo Do único Deus. Espírito-nidificante Pulsa o teu instinto Irradia para urdir O coração-exterior: o lar Que o teu coração aquece E o teu mimo enternece. Inteligente – eterno-animal É o instinto e a invenção Que nutrem o Tempo: A mãe […]

Continuar leitura


Inéditos de Manuel Silva-Terra

Mãe, nossa Natureza sagrada soberana na Terra e no Céu e nas Águas santificado seja o Vosso nome somos do Vosso reino foi feita a Vossa vontade assim nas minas quanto na Troposfera a nossa ração de Petróleo nos dai hoje alguns de nós não conseguem perdoar-vos assim todos não seremos perdoados por tanta gulodice. […]

Continuar leitura



Página anterior Próxima página

keyboard_arrow_up