menu Menu
42 artigos na categoria
Literatura
Página anterior Próxima página Próxima página

Homenagem a Fernanda Angius

Fernanda Angius: “és homem, não te esqueças”[1]                                                 Para a Fernanda, como diria Glória de Sant’Anna,                                                                                “daqui te vejo não te vejo sinto” A mulher: do século passado, rósea, olhos de sono e um sorriso vivo com um fundo de tristeza. Idosa. Sua carne eram pétalas de lírios demoradas ao sol, seus braços e pernas oscilavam, […]

Continuar leitura


A problemática de Deus em José Saramago

Caim ou a natureza de deus Caim (2009), o último romance publicado em vida do autor, um pequeno volume mas singular e precioso por nele Saramago exprimir de um modo absoluto e transparente a sua visão do mundo e a sua oficina de escrita. Caim é igualmente o cúmulo da “fase da pedra”, iniciada em […]

Continuar leitura


Quatro poemas do poeta romeno Ion Barbu traduzidos para português

Din Ceas dedus Din ceas, dedus adâncul acestei calme creste,Intrată prin oglindă în mântuit azur,Tăind pe înecarea cirezilor agreste,În grupurile apei, un joc secund, mai pur. Nadir latent! Poetul ridică însumareaDe harfe resfirate ce-n zbor invers le pierziŞi cântec istoveşte: ascuns, cum numai marea,Meduzele când plimbă sub clopotele verzi. Do Tempo, Deduzido Do tempo, deduzido […]

Continuar leitura


Dois poemas inéditos (versão bilingue)

DEVOLUCIONES                         Ciertas formas de bar caliente diorama                        Eduardo Haro Ibars Que tu semen no sea escarcha ahoraque el mundo te repudia y vas a los lavabosa devolver el tiempo que nos venden,ínfulas de un mar que se bebieron.Yo te he visto enfundar con tu piel todo el misterio,andar desde tu alcoba, sumergirte en el viaje de […]

Continuar leitura


Poesia italiana contemporânea (versão bilingue)

Il male come un caneche nel mordere diventa lupo,diventa sé, il male come dolore,cane e lupo i nomi le cose,poi la gioia del tuo corpo da sola, l’assenza pensata nella forma della gioia, e i nomi – nominon quantità,contro un cielo rossodel rosso della preistoria, di primache tu entrassi in una stanza,o in quest’aperto – […]

Continuar leitura


Dois poemas inéditos

EM ESFORÇO DE INVESTIGAÇÃO Sentes o mais longo tempo da tua vida numa só palavra.Eis o mundo nocturno em esforço de investigaçãoque em plano mais fechado somente expressa a vidaem profundidades graves e insondáveis. Escrita que é para ti um peso que se tenta reformular –e validar, em densidade, o sentido suspenso. Descobres então que […]

Continuar leitura


Dois poemas inéditos

1 Parto em quatro o círculo da pizzaum para mim, outro para tie mais dois que dou às aves de partida um copo de vinho tintoreserva ainda deste sabor por tina imobilidade que nos comeas palavras excessivas de queijo de ervas daninhasa crescerem-me no corposolto inúteis impropérios parto ainda as fatias que me cabeme mastigo […]

Continuar leitura


Três poemas (versão bilingue)

LOS PIES DE ULISES Fui devorado por el mar,pero mis pies memorizaron Ítaca, su hierba y el misterio condenado a mí.Por ellos regresé multiforme y primitivo de sandalias.Allí, velaron mi nombre una y mil noches, bajo las estrellas y cerca del Egeo.Alguien rozó la sagrada marca en mi piel y preguntó:¿Quién eres?Sólo mis huellas, arquitectas […]

Continuar leitura


Poesia italiana contemporânea (versão bilingue)

Alla fine del semestre Saltare sulla bicicletta di unoche dà brividi alla pelle di nuovo viva,essere riportato nella nuova casaormai vecchia di qualche stagione,dimenticare il cellulare nel parcola settimana prima di partire perdere tutto–senza numeri senza foto né ricordiaspettare che vengano a prendertie di nuovo essereriportati nella vecchia casa,sapere che è breve il tempo della […]

Continuar leitura


Ensaio sobre O Livro de Horas de Rilke

O vôo onírico de Rilke em O Livro de Horas                                                                                                                                     «Aqui está um homem que decidiu ser um                                                                                    guerreiro solitário do poema.»                                                                                                    Rainer Maria Rilke [1]              A trilogia, que constitui O Livro de Horas[2], de Rainer Maria Rilke, consolida a viagem espiritual de Rilke, a par da maturidade poética, já bem visível em […]

Continuar leitura


Um poema inédito (versão bilingue)

LA PREGUNTA                                           Para Carlos Medrano No sabe si lo que el viento le robófue su inocencia o la cometa.Atrapada en el árbolel muchacho tiraba de la cuerda desesperadamente,levantaba los brazos, se encorvaba,quebraba alguna rama que caíacomo un pájaro herido.Casi desnudo, la mirada plomiza,se alejaba girando la cabezapor si un golpe de viento se la diera.Mañana […]

Continuar leitura


Um poema inédito (versão bilingue)

LA CHICA DEL TAMBOR En el sueño no nos compromete esta escena.Quién puede pedirme cuentaspor recibirte en mi camasi llegas huyendo de una persecución,o a ti por ser un bebedor matutino.Después de todo, eso lo vien una película al acostarme.Nadie puede achacarnosque utilice tu cara para representarel papel de ese espía tan perturbador.Las palabras no […]

Continuar leitura


Três poemas do livro "Altos Cumes"

Alvão Começava com a pulsação de um poemaa bater no peito dilatadoe com a mão inábil tentava afinaro assobio dos seus lábios ardentes Sentia o apelo dos lugares elevadosnas suas pernas e nos seus ombrosque o erguiam numa imprudênciade sangue quente pelos caminhos E lá do alto o vale deslizavasobre um glaciar por entre as […]

Continuar leitura


Um texto inédito 

seis horas e uma claridade incipiente chispa sombras pendulares nas minhas pálpebras. os olhos resistem ao repto e retardam o encandeamento, sugerindo uma realidade de interpretação pessoal. o que está fora é uma tosca aproximação ao que está dentro. enquanto a luz se vai fazendo adulta, a memória desdobra o que foi em tudo o […]

Continuar leitura


Recensão de um livro de Bibiana Collado

UM SILÊNCIO MORTO. UNA APROXIMACIÓN A VIOLENCIA, DE BIBIANA COLLADO. Recuerdo un verso de Sophia de Mello, Na minha vida há sempre um silêncio morto cuando leo Violencia (Ed. La Bella Varsovia, 2020) de Bibiana Collado (Burriana, Espanha, 1985), y lo hago como quien se enfrenta cara a cara a su abismo, como quien se […]

Continuar leitura


Ensaio sobre a poesia italiana contemporânea

                  Addentrarsi nella poesia italiana contemporanea (2000-2020)                                               Una prospettiva insulare Sono nato nel 1993 in un’isola, la Sardegna, una terra con un’identità, una cultura e una lingua piuttosto peculiari e lontane per diversi aspetti dall’italianità. Mi colpì molto il saggio di  Károly Kerényi, intitolato Il mitologema dell’esistenza atemporale nell’antica Sardegna, in cui riprendendo alcuni miti sardi, tramandatici […]

Continuar leitura


Um conto inédito

                                                               os porcos Um grupo de porcos domésticos ficou assustado com o som de armas vindo algures da floresta e agitou-se em tumulto. Eles quebraram desajeitadamente a cerca com as cabeças e fugiram da casa solitária de madeira carcomida, situada à entrada da floresta, indo em direção ao rio, mas caíram no caminho. Nas brechas de […]

Continuar leitura



Página anterior Próxima página

keyboard_arrow_up