menu Menu
122 artigos na categoria
Portugal
Página anterior Próxima página Próxima página

Poesia portuguesa.

Laudes Obrigo um outro comboio desobedientea obedecer à luz. Respiro na espuma do in-movimentocomo Adão antes do primeiro passo.Só, silencioso, seria essa a imobilidade do Paraíso,gaiva de maçãs tombadas e ostentação Bastaria soltar a ideia, enrolá-la num lençol vazioe, rejeitando a rotina lacónica,esquecer o lodo e a grade, o verbo hipócritaa perseguição rebelde, matriz de […]

Continuar leitura


Poesia portuguesa

O COPO DE HERÁCLITO Serão ainda teus os objectos sobre a mesa?A surpresa do pão, a evidência do lápis afiado,aquele fulgor de pássaro sobrevoando a camacoexistem sobre a mesa e eu perguntode quem são agora: o pão sempre frescoaparece às vezes coberto de bolor e ao amanhecera neblina esconde o rio que passa sob a […]

Continuar leitura


Poesia portuguesa

Perder o rumo Perdi o rumo, ou a identidade de nada saber de mim,do que procuro dentro de mim, o mito fosco da realidade,a mentira fechada na ferida aberta. Corro atrás do meteorito,sonho ser a estrela que explode num universo paralelo,desfragmentado resisto à ebulição da matéria no vulcãoque lança as flechas de deus sobre a […]

Continuar leitura


Fragmentos de la publicación "a salto de mata" (2024)

Fragmentos de la publicación “a salto de mata” de Luis Leal (2024) [1]Leer con la navaja es de las pocas cosas que me hacen sentir pionero en el campo de la literatura. Y no solo, es un hecho. Sin embargo, pocos son los que aún se dedican o saben que es eso de la lectura […]

Continuar leitura


Ruy Belo, leitor de longe: algumas proposições sobre poesia brasileira (Ensaio)

Ruy Belo, leitor de longe: algumas proposições sobre poesia brasileira Hugo Milhanas Machado “Aborreço os poetas que se lembram da nacionalidade quando fazem versos” MANUEL BANDEIRA Ao seu décimo quinto número, e por ocasião da dupla efeméride assinalada sobre as datas do nascimento e da morte do poeta português Ruy Belo (1933 e 1978, respectivamente) […]

Continuar leitura


Poesia portuguesa

1 A última palavra não será a que fecharáos lábios do horizonteÉ mais para diante que a barca navegaO rumo é o regresso, não a chegada.Não há, para a voz segredada,significado último.É preciso navegar a Voz,a sua pele, para que o horizontefeche o mundocomo a duas metades de um livro já lido. A última palavra […]

Continuar leitura


Aproximações ao Pensamento de Joseph Ratzinger: Evolucionismo e Criacionismo (Ensaio)

Aproximações ao Pensamento de Joseph Ratzinger – Artigo 2: Evolucionismo e Criacionismo. Os confrontos entre Evolucionismo e Criacionismo têm, ao longo dos tempos, proporcionado os mais diversos debates, distintos quer em veemência quer ao nível da sua fundamentação. Logo em 1860, um ano após Darwin ter publicado A Origem das espécies, assistimos ao confronto entre […]

Continuar leitura


Poesia portuguesa

1 – Repouso no óbvio Toalha sacudida aberta a voosCurtos e rasantes a cortar o vento Uma onda de espanto tão pequenaQuebra-se a meus pés sugada pela areia Crianças buliçosas navegando à vistaSob um olhar materno refreando as asas Adiada viagem a reinos submersosOnde habitam monstrinhos e sereiasPara com elas brincar entre corais 2 – […]

Continuar leitura


Homenagem a Isabel Ary dos Santos

Isabel Ary dos Santos Nasce em Lisboa a 9 de Março de 1940, de seu nome Maria Isabel Pereira Ary dos Santos, na freguesia de São Sebastião da Pedreira, filha de Carlos Ary dos Santos e Maria Bárbara de Castro Pereira Ary dos Santos. A infância despreocupada e feliz termina abruptamente com a morte súbita […]

Continuar leitura


Poesia portuguesa

Que não se perca a memória do InvernoNem da marca funda nos animais prostradosDepois do abate. O frio evocaA angústia, mas não o medo – aclaraOs contornos da fenda por onde Se avistam os vestígios de outrasVidas e de outra luz; o frioCumpre a desilusão, inverte o impulsoDiante das trevas – é dolorosoMas não corrompe. […]

Continuar leitura


Aproximações ao Pensamento de Joseph Ratzinger: a Teologia da Fraternidade (Ensaio)

Aproximações ao pensamento de Joseph Ratzinger – Artigo 1:a Teologia da Fraternidade. A primeira obra de Joseph Ratzinger a granjear grande audiência foi o Diechristliche Bruderlichkeit (Irmãos em Cristo), não se tratava propriamente de uma obra consagrada ao Pai e à Patrística, mas antes de um tratado doutrinal. Ratzinger havia já abordado a problemática da […]

Continuar leitura


Poesia portuguesa

Saí de mim mesmo,como quem sai à procura da promessa da noite.Era insuportável esse ninho enfadonhoonde sempre me acontecera.De tanto ser quem fora,enjeitara a lição dos pés no desejo dos trilhos.Todos os dias eram um recomeço desbotadosob os lençóis com que amortalhava o olhar.Fui então congeminar imprudênciasà soleira da coragem.Percorri desertos até ao limite do […]

Continuar leitura


Rosa Lobato de Faria: Romance de Cordélia (Ensaio)

Rosa Lobato de Faria: Romance de Cordélia – O Crime de Biofobia “Escrituras que não têm utilidade de lição, além de nelas se perder o tempo, que é a mais preciosa cousa da vida, barbarizam o engenho e enchem o entendimento de cisco, com a enxurrada dos feitos e ditos que trazem”. Os leitores que […]

Continuar leitura


Recensão do livro Latitude de Filipa Vera Jardim

PUREZA E BARBARIDADE – FILIPA VERA JARDIM “Somos um povo bárbaro e puro”, escreveu Herberto Hélder, no conto “Teorema”, do seu livro “Os Passos em Volta”; tendo a concordar com esta caracterização muito sumária dos Portugueses, sujeita a contestação, por facilitar a apresentação dos conceitos de pureza e barbaridade. Pureza, por detestarmos deixar assuntos inacabados; […]

Continuar leitura


Poesia portuguesa

CABRAS Minhas queridas cabras que não tive,não obstante haja tido muitas coisasque não eram cabras e que,em vez de balir, me algemavamaos gritos ficas presoenquanto quiseres cabras,e exclamavam: tendência antinatura,mistura de campónio e ser urbanoda cidade do Norte,a delida palavra pátriaque dizes ser a tua,a palavra ridícula,pátria, é como gritar versos na rua,e, não bastasse, […]

Continuar leitura


Passagem para a Índia, diário de bordo (Crónica)

Passagem para a Índia, diário de bordo Delhi, 10 de fevereiro de 2024 Old Delhi é a zona histórica da cidade, com origens que remontam a 1648, quando Shah Jahan decidiu transferir a capital mogol de Agra para Delhi. Atualmente coexistem na zona maravilhas arquitetónicas como o Lal Qila e a Jama Masjid, e Chandni […]

Continuar leitura


Do livro Palavras sem cicatrizes de Filipa Barata (Recensão)

Foi com muito prazer e emoção que aceitei o desafio do poeta e amigo Victor Oliveira Mateus para em conjunto apresentarmos este livro de poemas de Filipa Barata, Palavras sem cicatrizes. Certos acasos foram decisivos para que este livro fosse dado de novo à estampa, tal como expresso nas primeiras palavras de Manuel Barata, no […]

Continuar leitura



Página anterior Próxima página

keyboard_arrow_up