menu Menu
53 artigos na categoria
Portugal
Página anterior Próxima página Próxima página

Homenagem a Isabel Aguiar

A partida recente de Isabel Aguiar, que deixou muitos dos autores portugueses surpreendidos, leva agora a Revista Oresteia a publicar alguns dos seus inéditos. A Isabel tinha-nos enviado estes textos para serem publicados no Nº6 da Revista, contudo eles chegaram até nós já fora do prazo, pelo que a autora – em mail próprio – […]

Continuar leitura


Três poemas inéditos

SEM MÁSCARA A funda respiração da poesiaalarga os pulmões, abre alamedase faz conceber a liberdade. Não percas no ar o teu poema:respira fundo e depois de fracassaresconfia ao que te cerca o que ficou. IRMÃOS HUMANOS Frères humains qui après nous vivrez(François Villon) Não sei o caminho que leva aos outros,humanos como eu, dormindo lá […]

Continuar leitura


Só de pensar nela (Conto)

Só de pensar nela — Volta-te para mim — pediu ela. Ele girou na cama, tomando consciência do colchão duro, dos lençóis leves, do corpo pesado, o seu, subitamente desperto e consciente do outro corpo ao seu lado. — Abraça-me — pediu ela. Tinha uma voz rouca e falava muito baixo. Cheirava a animal marinho. […]

Continuar leitura


Três objetivos de um escritor (conto)

Três objectivos de um escritor Confesso-vos que o meu primeiro objectivo como escritor foi melhorar o meu tipo de letra, e essa secreta intenção de imitar uma escritora famosa cujo tipo de letra invejava. Em parte, alcancei-o sem nunca me libertar, desde logo, de um ligeiro traço de infância na minha escrita, uma irregular tendência […]

Continuar leitura


Quatro textos inéditos de prosa poética

INSTANTES DO OLHAR I nunca nada na sempre ondulação do tempo esse carrasco desossado edesassossegado que a ninguém falta nem bem nem mal. antes a diferençaentre chegadas e idas frias umas bondosas outras na moldura criteriosa dafalta de um deus eléctrico consciente e minucioso de que nunca abdico.ressalvo a infância sem guilhotinas nem falsa mestria. […]

Continuar leitura


Viagem a Roma (Conto)

Viagem a Roma O Senhor é justoem todos os seus caminhose bondoso em tudo o que faz. Salmos Tanto se desacertavam da cidade, da sua sumptuosa majestade, da sua íntegra beleza, da sua escorreita disposição. E também se desacertavam das gentes, saudáveis, felizes, endinheiradas, tal o são sempre os turistas. Estes olhavam-nos de cima para […]

Continuar leitura


Paraíso Perdido de John Milton: Uma Leitura

Paradise Lost, ou a estetização política da tradição  o acto de conservar, de domar o tempo num espaço fechado, encontra-se umbilicalmente ligado à projecção utópica, interior, de um passado no tempo presente, ao reconhecimento do tempo futuro como uma constante emanação da origem a partir da qual se apreende a natureza humana. Paradise Lost, de […]

Continuar leitura


Quatro poemas inéditos

as folhas das tílias outonaistransformadas em borboletasocres, num planado e suave voodescem levemente de encontroaos sulcos deixados pelo aradoprimaveril onde poisam suaves é pois um chão atapetadode amarelo intenso, que encontrono meu caminho quandomais uma folha de tília outonalme intercepta e se acomodalevemente na aba do meu chapéu atravesso então de outonoo bosque caducifólio homo […]

Continuar leitura


Dois poemas inéditos

Digo-te o corpo.Em mimele se forma. Digo os olhos e aboca que me fala,as mãos que, de repente, me faltam.Digo-te o desejo,o sexo, o beijo, a derradeira intimidadedesta ausência. Digo-teassim, como quem perde o quando que encontra.Só isto, isto,concede a horas, os anos, o dia quando não sabemos o que mais dizer,e quando e porquê, […]

Continuar leitura


Dois Poemas Inéditos

Covil da fera Queria ser estrela mais alto na desmesura do espaço queria ser excesso e tocar a luz Saber de mim o que em mim amordaço se inventa e desespera A encobrir no peito o covil da fera         Rigor De ti sei a raiz do sentimento o lugar do rigor […]

Continuar leitura


Ensaio sobre a Obra de António Gancho

O GANCHO POÉTICO QUE FERE E NOS SEGURA   «Quando desaparecer/ hei-de pedir à noite/ que me consuma com ela/ que me devaste a alma/ não quero mais/ quero desaparecer na noite/ e só de noite consumir-me» (p. 139). António Gancho (1940-2005), in O Ar da Manhã, 1995   Ele tinha umas «mãos curvas de […]

Continuar leitura


Uma leitura de Um Tempo a Fingir de João Pinto Coelho

Uma leitura de Um Tempo a Fingir de João Pinto Coelho   Penso correta a leitura do mais recente romance de João Pinto Coelho a partir de uma grelha interpretativa alicerçada nos conceitos de: continuidade e rutura. Pelo que não julgo despiciendo aplicarmos esta dicotomia às mais diversas categorias da narrativa: narrador, tempo, espaço, intriga, […]

Continuar leitura


Dois Poemas

ANJO Vinha para me buscar mas ainda cá ando: tive nojo ao anjo Chegou-me acenando com as asas encardidas as penas sebosas com sabugo no cálamo Nem se assemelhava sequer ao verdadeiro anjo negro da miserável história desta vida: só genuíno desleixo a sujidade sob a auréola fosca : cotão e pó em suma nenhum […]

Continuar leitura


Um Poema Inédito

Ruptura de ligamentos Correr fora de campo atrás da ilusão esférica da pertença Cair e ser a repetição da queda Ignorar duplamente a mudança a distorção inevitável de planos e regressar indolente a casa Cair em si no expectável acomodado ao fundo da cama Fazer-se escultura e regressar em desequilíbrio à inocência do Verão Sonhar […]

Continuar leitura


Poemas Inéditos (versão bilingue)

HATMA DE 5 À 7 o fluído intersticial circula como se o meu corpo fosse a cidade (canta um galo na haorta canta outro ladram ao longe nos meus pés os cães que não tenho) uma cidade com trânsito rural um homem velho com braços fortes como ramos de carvalho e mãos grandes como raízes […]

Continuar leitura


Palavra, Presença e Ausência nas Obras de Wenders e Dreyer (Ensaio)

Palavra, presença, ausência (Paris Texas, Wim Wenders e Ordet, Carl Dreyer)   Tendo em vista a atribuição epigráfica à leitura comparada de Ordet de Carl Dreyer e Paris, Texas de Wim Wenders, que me proponho realizar, evoco o poema “Ausência” de Vinicius de Morais:   “Eu deixarei que morra em mim o/ desejo de amar os […]

Continuar leitura


Dois Poemas

Cura É preciso acender o mundo com a boca. Com o sol da nuca. Com o coração. São precisos todos os faróis. São precisos todos os relâmpagos. Todas as palavras são precisas Para acender o mundo. É preciso No fundo de um rio Uma pedra uma ideia de liberdade No centro do coração. Um chapéu […]

Continuar leitura



Página anterior Próxima página

keyboard_arrow_up