menu Menu
Dois poemas (versão bilingue)
Por Boris Rozas Publicado em Argentina, Literatura, Poesia a 12 de Janeiro, 2021 541 palavras
Um poema inédito Anterior Dois poemas inéditos Seguinte

ACLARACIÓN

Como Pacheco, escribo un día y otro
pero no todas las cosas que escribo
significan lo mismo,
hoy tocan el olvido o la muerte
mañana serán las olas
y sus instrumentos;
no amo nada que no venga
en un libro
nada que no se pueda resumir
en una página,
será por eso que los poetas
no duramos
como perdura el polvo
sobre nuestra ofrenda.
Escribo sobre el miedo
pero, como Pacheco, pretendo
decir otra cosa,
no querer transcurrir
como un río
por un bosque
de metáforas,
mi historia es su historia
contada desde
el desplome.


Esclarecimento

Assim como Pacheco (1), escrevo dia após dia
mas nem todas as coisas que escrevo
significam o mesmo,
hoje surge o esquecimento ou a morte
amanhã serão as ondas
e a sua música;
não amo nada que não venha
num livro
nada que não se possa sintetizar
numa página,
será por isso que nós poetas
não permanecemos
como perdura o pó
sobre as nossas dádivas.
Escrevo acerca do medo
mas, como Pacheco, pretendo
dizer outra coisa,
não querer deslizar
como um rio
por um bosque
de metáforas,
a minha história é a sua história
narrada a partir
de um desmoronamento.

(1) José Emilio Pacheco (1939/06/30 – 2014/01/26) – é um ensaísta e romancista, também considerado um dos grandes poetas mexicanos da segunda metade do século XX.

Tradução de Victor Oliveira Mateus


EL TIEMPO ES LIGERO COMO LA CHARCA DE LOS NIÑOS

El tiempo es ligero como la charca
de los niños.
Sus uñas son largas como los filos de cuchillos
en el bosque, que cuentan sueños
que se han ido enterrando
en vastos cementerios de palabras.
Se sabe que no le basta
con meras abundancias.
Las cuerdas de esta guitarra
hecha de primaveras
suenan a la Babi-Yar de Yevtushenko,
casi como un pogromo de versos escritos
con sobras de hombres
y copos de nieve nueva.
El tiempo sigue siendo ligero
como la charca de los niños,
un clavo ardiendo
al que sujetarnos
camino de otra noche
para poetas mecánicos.


O tempo é ágil como o regato das crianças

O tempo é ágil como o regato
das crianças.
Suas unhas são compridas como gume de facas
num bosque cantando sonhos
que foram sendo enterrados
em vastos cemitérios de palavras.
Sabe-se que não se satisfaz
com abundâncias vagas.
As cordas desta guitarra
feita de primaveras
soam como a Babi Yar de Yevtushenko (1),
quase como um progrom de versos escritos
com sobras de homens
e flocos e um novo nevão.
O tempo continua ágil
como o regato das crianças,
um prego em brasa
a que nos sujeitamos
a caminho de outra noite
própria de poetas mecânicos.

(1) Babi Yar é uma ravina em Kiev (Ucrânia) onde os nazis fuzilaram largos milhares de judeus e de russos não-judeus. O poeta russo Yevgney Yevtushenko escreveu, em 1961, um poema com este título, visando as autoridades da então União Soviética que se tinham recusado a reconhecer esse local como o sítio de um massacre.

Tradução de Victor Oliveira Mateus

Boris Rozas, vallisoletano de Buenos Aires, poeta de amplia y reconocida trayectoria con ya 15 poemarios a sus espaldas, entre ellos los multipremiados Ragtime, Invertebrados, Las mujeres que paseaban perros imaginarios o Annie Hall ya no vive aquí. Su poesía ha sido definida como vanguardista, revolucionaria pero también de corte profundamente intimista y consustancial al ser humano.

Foto da publicação: Maica Rivera

Argentina Literatura Poesia


Anterior Seguinte

keyboard_arrow_up